quarta-feira, 19 de junho de 2019

Nhel, vc ta arrasando dms com a sua exp.💓💓 ela ta lindaaaa dms, o quarto de cura é demais também!! A sua exposição junto com o quarto de cura é a coisa mais linda q eu já vi. Amo como vc pensa em cada coisinha e encaixa tudo perfeitamente bem! Seu trabalho têm me ajudado bastanteeeee, eu aprendi muita coisa e passei a ver algumas coisas com mais calma.. Obrigada por ser incrivel assim!! Obg por me mostrar q a cura, seja ela qual for, é linda e de coração! T amo pleta💜✊🏾
Larissa Brasileiro Silva
Orgulho do ontem , de hoje e do futuro brilhante que vc vem escrevendo na sua caminhada. Te amoooo 💝
São tantas experiências vividas , niver de Maxsuel de 01 ano , seu niver de 06 anos com larissa , niver de Bino que era obrigatório passar o glacê do bolo na cara dele pq eleee amava essa bagunça. Vc nasceu no inverno e lembro de todos nós na antiga casa da sua bisavó comemorando seu nascimento. Ninguém imaginava que naquele dia nascia um grande artista..
Fabiana Nobre
Semana que vem faço aniversario, semana passada comemoramos a abertura de minha primeira exposição individual. E na sexta feira agora, faz 6 meses que meu avô Bininho morreu. E nessa sexta minha prima-irmã completa 21 anos. Quando nasci em 1996, ja era um inicio de inverno na Fonte Grande. Bininho nasceu de parteira, no alto do morro, e eu nasci da lua. Nasci de minha mãe Ingrid, de minhas avôs Julite e Éda, de minha tia Tati e da lua crescente.  Nasci no hospital mas antes nasci nas matas do meu cacoblo. Eu nasci quando meu caboclo me lembrou do que tentei esquecer. E quando lembrei, ja não era mais Gabriel. Mas não deixei de ser. Quando nasci ontem, hoje eu acordei forte. Até o dia 26 de junho, parece que irei nascer todos os dias. E se nasci então antes morri. A morte é isso mesmo, um nascimento. 




















domingo, 16 de junho de 2019

Também fiquei muito feliz amiga de verdade, pra mim foi muito importante fazer parte disso tudo, ainda mais te conhecendo e sabendo que você é bem nojentinha né? Foi muito forte e emocionante pra mim, nunca vou esquecer real irmã, tudo que você faz por mim e pelas bixas tem um significado pra mim enorme e isso só me incentiva a querer avançar e ir atrás das minhas coisas. Te amo muchooo, e obrigada por me deixar fazer parte disso tudo que é o seu crescimento tanto pessoal quanto profissional, estamos juntas caraí e daqui pra frente só estaremos melhor e melhor
E agora o trauma eh deles nehhh??? Então viva a putaria!!!!

Mateus Sampaio Dora

quinta-feira, 13 de junho de 2019

disponha, meu bem! vô voltar lá pra conseguir resgistrar outros detalhezinhos. quero explorar muito mais os seus escritos.

reforçando novamente, pois nunca é o bastante: toda a sua trajetória e a forma como você tem capturado e manifestado  suas próprias experiências é genial, singular e visceral.
parabéns
por estar vivo, por estar pulsante em sua arte e por manipular seus traumas e dores de maneira tão compromissada com a sua ancestralidade e identidade.

espero que a vida lhe reserve momentos muito gostosos, e que a sua sensibilidade e genialidade atravesse todos estes. tanto os seus, como os nossos.
seu trabalho é muito importante. e é mais importante ainda que você esteja certo disso, pois eu sei o quão difícil é construir algo tão pioneiro sendo quem tu é e onde tu é.
apenas continue transgredindo.
que exu continue lhe protegendo.

Sthefanny Lorrane

disponha, meu bem! vô voltar lá pra conseguir resgistrar outros detalhezinhos. quero explorar muito mais os seus escritos.

reforçando novamente, pois nunca é o bastante: toda a sua trajetória e a forma como você tem capturado e manifestado  suas próprias experiências é genial, singular e visceral. 
parabéns
por estar vivo, por estar pulsante em sua arte e por manipular seus traumas e dores de maneira tão compromissada com a sua ancestralidade e identidade. 

espero que a vida lhe reserve momentos muito gostosos, e que a sua sensibilidade e genialidade atravesse todos estes. tanto os seus, como os nossos. 
seu trabalho é muito importante. e é mais importante ainda que você esteja certo disso, pois eu sei o quão difícil é construir algo tão pioneiro sendo quem tu é e onde tu é. 
apenas continue transgredindo. 
que exu continue lhe protegendo.

quarta-feira, 22 de maio de 2019

Tempo de cura é um tempo não-ocidental. E esse tempo é composto em coletividade e experienciado de modo singular. Tempo é história, e a história se faz em gestos, e gestos produzem histórias.
Quais tempos há em nossos gestos?
Quais gestos produz cura?
Como o corpo produziu para si um tempo de cura?
Tempo é movimentação. Oriki.  É movimento. E se tudo esta em udo, o que há no corpo que o possibilita a cura?
A cura é uma capacidade de manipular energia vital. Ou seja, vida. Ou seja, tempo. O que há no corpo de cura são vidas e temporalidades sendo manipuladas, equilibradas. A cura é uma produção de memórias, histórias.
Meu corpo é negro e bixa. Racializado e não-cisgenero. Tenho um caboclo que nos escolhemos antes de eu reencarnar.
A minha cura é um equilíbrio do meu tempo com o dele ( caboclo), que produz um tempo comum. O equilíbrio de nossas temporalidades produz um tempo como que é o tempo de cura.
O tempo de cura.
Não há possibilidade de cura, se não houver um respeito mutuo dessas vidas que compõe essa relação.
Caboclo tem um tempo espiritual, eu tenho um tempo carnal, marcado pela ocidentalidade.
O tempo de cura é um equilíbrio de temporalidades.
Não há porque o caboclo se incomodar com a minha sexualidade pois o caboclo é uma vida que esta num tempo que a sexualidade é compreendida de um modo que não é ocidental. A travestilidade e a bixalidade, e o racismo, não são experiencias que acontecem no mundo espiritual.
Para o avanço espirital acontecer, caboclos precisam nos ensinar que a vida é maior que nossas identidades. E para descolonizarmos, precisamos aprender o tempo que a macumba quer nos ensinar. Que é um tempo do corpo. E não da identidade. Essa é uma relação cosmogônica. É uma feitura de mundo. Qual mundo?

domingo, 19 de maio de 2019

ação "Descubra seu futuro", 2019: conversamos sobre nossos passados, enquanto olhamos antigos albuns de fotos de minha família. -

minha avó Julite foi nesse dia. Ela que criou esse acervo de fotografias analógicas. Pelos menos 50 anos de registros. Quando vejo as fotos, consigo presentificar um futuro de liberdade. Estou criando meu album de fotos agora. Descobri meu futuro tem sido lembrar meu passado. Quando lembro como voltar, consigo avançar. Se fui, voltei. Se voltei, nunca deixei de esta aqui.

Casa de Renato Santos. Durante o Quintal Bantu. 






domingo, 12 de maio de 2019

QUINTAL BANTU
Um acontecimento em reivindicação dos 484 anos de cultura bantu no Espirito Santo. 

Estamos propondo uma celebração às vidas negras. Estamos criando um diálogo num tempo de cura. Convidamos você a viver um conjunto de experiências estéticas, que são culinárias e musicais. Numa tarde de domingo, iremos nos encontrar no morro da Fonte Grande. E juntes, vamos construir estratégias de sobrevivência.  
Pedimos que tragam carne ou legumes

Artistas propositores: Castiel Vitorino Brasileiro, Natan Dias, Rafael Segatto.
Data 19 de maio, das 13h às 18h
Local: Casa de Renato Santos, Morro da Fonte Grande


segunda-feira, 29 de abril de 2019

É coisa de familia. é de familia. sou dessa familia. minha avó julite enche o banheiro de plantas artificais. Antes eu não gostava e hoje eu amo. Ou antes eu não gostava quanto gosto hoje. E ontem eu fui na casa de Delma e vi que ela faz a mesma coisa. Gostei . É de família ne. Tia Maria, mão de Delma foi irmã do meu avô Binhinho que é marido do minha avó Julite, o tio da minha avó era marido de Tia Maria. Chega uma hora que sei la. Minha Tia Maria morreu 3 meses depois do meu avô. Ontem visitei o banheiro de sua casa. É coisa de família. Olhei essas fotos, pensei apenas isso: é coisa de família. Família Brasileiro. 





VIII Samba Para São Jorge. 
Festa organizada pelos devotos de São Jorge e Ogum, Coletivo Afoxé, moradores das comunidades: Fonte Grande, Piedade e Centro.

ontem eu não havia mais Fonte Grande e Piedade. Na festa de Ogum, entendi que os dois bairros são duas faces da mesma espada. O como uso dessa espada para cortar? Assim é para agradecer. A espada precisa. Eu preciso produzir algo na espada que deixa minha mão firme. A espada de São Jorge é de crueldade e Cura. Foi Sandra que me disse isso. Me disse e fiquei.... perdida. Perdida. Aglutinei a informação, não consegui dizer nada. Eu sorrir e arregalei os olhos. Ela me disse aquilo que venho repetindo todos os dias pra mim mesma. A espada de Ogum é de crueldade e Cura. Ouvi isso de outra pessoa me deixou... Não sei como. É um desejo de se arrepiar. Ou, direcionar meu arrepio. Não é controlar, e sim direcionar. 
ontem fiquei na Escadaria da Piedade. é uma escadaria verde, onde foi colocado um tapete vermelho para Ogum. São Jorge mora onde, Fonte Grande ou Piedade?

domingo, 28 de abril de 2019


Casa de minha prima-tia Marcela. Durante o VIII Samba Para São Jorge. 
Festa organizada pelos devotos de São Jorge e Ogum, Coletivo Afoxé, moradores das comunidades: Fonte Grande, Piedade e Centro.

"aglutinar e redistribuir"






VIII Samba Para São Jorge. 
Festa organizada pelos devotos de São Jorge e Ogum, Coletivo Afoxé, moradores das comunidades: Fonte Grande, Piedade e Centro.
"assim é para agradecer"



















VIII Samba Para São Jorge. 
Festa organizada pelos devotos de São Jorge e Ogum, Coletivo Afoxé, moradores das comunidades: Fonte Grande, Piedade e Centro.



Aglutinar e redestribuir: num domingo de festa, perambulo pela celebração de Ogum São Jorge, com uma espada que aglutina e redestribu vitalidade

sábado, 27 de abril de 2019

meu coração é seu como sua arma é minha como meu sangue jorra quando descubro a guerra que ja venci por estar viva

sexta-feira, 26 de abril de 2019

quando eu esqueci o caminho ou fiquei perdida nas direções possíveis, rodrigo me lembrou que eu deveria fazer o caminho de volta. voltar para. então voltei e lembrei o que queria não ter esquecido. ai quando lembrei, tentei esquecer. quando lembrei esqueci de que? eu mais lembrei do que esqueci, e quando lembrei desejei esquecer. escrevendo agora, lembrei do meu desejo de esquecer. esquecer tudo. esquecer como é fazer amigos e esquecer como é sentir que meu corpo esta fraco. eu me desacostumei. e tenho me acostumado a alimentar meu desejo. eu desejo criar uma aliança que não seja não fique no dedo, mas tenho medo de assumir esse elo corporal que já existe. não é um medo do elo. é um medo do meu corpo não suportar. mas como não suportar algo que ja me constitui? isso de voltar atrás, me fez lembrar de quando desejava isso que tenho hoje. hoje, desejo o que tinha antes. tenho antes o que já tinha hoje: coragem. essa coragem. eu quero construir uma casa e viver nós três. parei. tentei esquecer. mas não consigo e nem quero o esquecimento. eu queria que fosse mais leve o desejo. eu quero construir algo entre nós dois. o que? talvez uma vida. um modo de viver. é que estamos no outono, e é o momento de folhas caírem. o que fica são as raízes. o que fica da gente? o que vai despencar do pé? eu quero que despenque algumas coisas, ma não consigo lembrar na linguagem da palavra. lembro no gesto que quero gritar junto com você.  e subi a Fonte Grande. o que tem na Fonte Grande minha história. que tem você. morariamos la enquanto entivessemos viajando para lugares diferentes? a proposito, quando irei me permitir a viajar conosco? então o que me acontece é um desejo de viajar a sós para bahia ou algum lugar que você escolha. mas no fim eu que escolho ne. hahahaha. engraçado. nos escolhemos, essa é a verdade. é verdade que lembrei. a verdade é que lembrei do que esquecer: o medo. 
o negro é a absorção total de energias. é uma compressão e compreensão de pigmentos.

quinta-feira, 25 de abril de 2019

Se tudo está em tudo, então eu estou em meu avô e ele está em mim. A relação de reciprocidade e interpenetração entre nós dois não acaba com a morte de um de nós. A morte não é o fim desse contágio mútuo, pois a morte é um anúncio da vida, já que essas duas dimensões da existência são complementares. Com a morte do meu avô continuarei o tendo em mim em interferindo nele através da minha relação que estabelecerei com o mundo e com as vidas que partilhamos juntos. A absorção e incorporação da substância de vida Benedito Brasileiro, continuara se presentificando em minha memória gestual, em qualidades sensoriais,  em minha pele negra,  em minha bioquímica, em minha vontade de cozinhar,  em meu amor, em meu nome de batismo e nome de guerra ,em meu sobrenome. Em meu sopro de vida. Em meu piscar de olhos. Em minha garganta. Em minha gargalhada. Em minha respiração.

segunda-feira, 15 de abril de 2019

eu queria ser um território onde só ouvisse o barulho do mar. ondas indo e vindo. um mar com chuva. sabe, meu avô disse me disse que quando choveu no alto mar ele ficou desesperado. lembro de minha avó contado sobre isso também. meu avô era marinheiro né, e eu também sou marinheira. nossos amores duram meia hora. meia hora de um tempo atlântico.
Diário de despachos. 

caderno artesanal que fiz com papel roubado. 



sexta-feira, 29 de março de 2019